Av. T-12, nº 35, Salas 408/410, Qd. 123, Lts. 17/18, Ed. Connect Park Business, Setor Bueno, Goiânia/Go, CEP 74.223-080


Contato : (62) 3215-5885 | contato@mauropires.adv.br

Auxílio-doença será concedido somente quando ficar comprovada incapacidade laborativa

Os integrantes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), por unanimidade, seguiram o voto do relator, o juiz substituto em 2º grau Marcus da Costa Ferreira, negando a concessão de auxílio-doença a Vanderli Rodrigues de Sousa, auxiliar de serviços gerais na construção civil.

Após o pedido do benefício de auxílio-doença ter sido julgado improcedente, pela juíza Flávia Cristina Zuza, da 1ª Vara Cível e da Fazenda Pública Estadual de Luziânia, Vanderli interpôs apelação cível, defendendo a presença de conjunto probatório a lhe garantir os benefícios pleiteados.

Marcus da Costa explicou que o auxílio-doença é um benefício concedido ao profissional incapacitado para o trabalho em decorrência de acidente de trabalho ou de doença profissional. Disse que, para a concessão do benefício, é necessário comprovação da incapacidade total e temporária, exigida para o restabelecimento do auxílio-doença, ou a incapacidade total e permanente, para a concessão da aposentadoria por invalidez.

Ao verificar os elementos probatórios colacionados, o magistrado observou que a perícia oficial realizada por junta médica, nomeada pela juíza da causa, informou que Vanderli não está incapacitado para o trabalho. “Ora, o insurgente trabalhava como auxiliar de serviços gerais na construção civil porém, a perícia oficial constatou que as lesões sofridas por ele não o impediam de exercer suas atividades laborativas habituais, nem mesmo aquelas atividades da vida diária”, afirmou.

De acordo com a perícia médica judicial, o auxiliar de serviços gerais possuía força de preensão palmar, pinçamento digital, coordenação motora e sensibilidade tátil preservada na mão acidentada. Portanto, como a lesão não o limitou de exercer suas atividades laborativas, o apelante não faz jus ao benefício pleiteado. Votaram com o relator, a desembargadora Sandra Regina Teodoro Reis e o desembargador Jeová Sardinha de Moraes. Veja a decisão

Fonte: www.tjgo.jus.br